Educação e liberdade

A Escola de Atenas é uma das mais famosas pinturas do renascentista italiano Rafael e representa a Academia de Atenas. Foi pintada entre 1509 e 1510 na Stanza della Segnatura sob encomenda do Vaticano.

Por Thais Oliveira

Sempre que falamos de Aristóteles, temos a perspectiva de dotá-lo de qualidades de um pesquisador, de fundador da ciência, o lógico, o filósofo, “o mestre dos que sabem”. Mas pouco se sabe sobre o educador Aristóteles. O que ele falava sobre educação quase não despertou muito interesse nos historiadores.

Porém, como precursor, Aristóteles se dedicou tanto ao ensino quanto à pesquisa. Convenhamos, ele é o protótipo do professor. A parte da sua obra que nos é transmitida ao longo de vinte e três séculos é a sua obra ensinada.

É claro que precisamos de mais orientação para entender o processo de educação, e não ser governado pelo muito falar, pois toda educação começa no ouvido para dominar a gramática, saber usar a concordância primária e a apreensão da língua. Esse é o começo do aprendizado, depois vem a matemática e retórica,  cuja capacidade de relacionar a gramática com a imaginação é absorvida. Para Aristóteles, o propósito da educação é semelhante ao propósito do homem. É claro que, toda educação tem como sentido,  tornar explícito ou implícito, um ideal humano.

Mas, para Aristóteles, a educação é um princípio para que o  homem seja completamente atualizado. Todos nós precisamos de sentido e o bem supremo a que todo homem aspira é a felicidade. Mas o homem feliz de Aristóteles não é aquele selvagem feliz, intratável, não é o homem em seu estado natural bruto, é o homem educado. O homem feliz, o homem bom, é aquele que tem virtude, mas não tem como adquirir virtude sem a educação. Ética e educação é uma coisa só. Sabe os livros que Aristóteles escreveu sobre ética? São manuais para ensinar a arte de viver.

Ao contrário de muitos livros que lemos, na Ética em Nicômaco, Aristóteles se pergunta “se a felicidade é algo que pode ser aprendido, ou se é adquirido pelo hábito ou algum outro exercício, ou se, no final, nos chega compartilhando por um certo favor divino ou mesmo por perigo.” A resposta não nos deixa no vácuo: “A causa realmente determinante da felicidade está na atividade em conformidade com a virtude”. Liberdade é o ato da virtude. Toda ideia de liberdade na civilização ocidental nasce atrelada a uma ética da virtude.

A  concepção da liberdade exposta nas mídias é uma visão pautada por uma cosmovisão moderna de mundo caracterizada nessa era moderna por três cânones: O relativismo, o ceticismo e a inexistência de um conceito objetivo de verdade. O que tem como resultado reativamente venerado é que a ausência de um conceito de verdade faz com que os indivíduos estejam autorizados a definir a verdade como um conjunto de signos daquilo que para eles são verdades. Não se tem uma concepção objetiva do que é verdadeiro, daí então se faz uma escala de signos como se fosse verdade, medindo seus ódios e amores a partir desses signos, e como regra geral, o que deve imperar é o desprezo pela verdade, o bem e a beleza.

Antes de passarmos a questão intelectual, a alma é aquilo que anima o corpo, que em si pode ser algo surpreendente, vamos considerar que esta alma possui certas capacidades para o conhecimento do ser e seus predicados essenciais. A alma pode conhecer objetivamente a verdade, o bem e a beleza por meio dos potenciais intelectuais, potenciais da vontade e a potência da memória.

Pitágoras valoriza muito a potência do intelectual, Platão considera extremamente importante a memória representada pelo tempo e a eternidade, junto com os mistérios da imortalidade da alma que se sustenta no esforço para lembrar do passado, numa retrospectiva que aprofunda o início de tudo. Quando viajamos em Aristóteles o intelecto e a vontade possui enorme importância sendo aperfeiçoados no cristianismo.

A partir daí, nós inteligimos, lemos o Ser de dentro para fora ou o que simplesmente ocorre é a absorção do primeiro conceito de Ser como verdadeiro. A vontade quer o bem e toma o conceito de bem para si, pois as coisas são apetecíveis para nós. A beleza é o somatório do bem com a verdade. A potência da alma para adotar como belo é a memória.

Quanto mais você exercitar o intelecto, a vontade e a memória, mais a sua vida será bela, o que produz integridade que em latim destaca-se como integritas, ou sintonia entre o interior e o exterior. Os antigos definiam isso com uma palavra: Paideia, palavra de origem grega clássica, traduzida como formação do espírito e do caráter, nas artes iliberais e mecânicas somada a empatia com os outros, philia, que retirado do tratado de Ética a Nicômaco de Aristóteles, o termo  diz respeito à “amizade”, e às vezes também ao “amor” na hierarquia dos afetos, ao contrário da filosofia barata de autoajuda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s